Pesquisa

ok
Home»Nortada»Nortada Detalhe
 
Boas Festas… com responsabilidades!

Eis-nos chegados a mais um ano. É tempo de todos os agentes políticos, económicos e sociais olharem em frente, determinados a encontrar os caminhos que conduzam Portugal e os Portugueses a iniciarem a tão desejada quão indispensável recuperação, conducente à saída da crise.

Se nos ativermos exclusivamente ao sector financeiro, temos também de convir que o ano transacto não deixou saudades.

A banca continuou a ser abalada por um inusitado conjunto de sobressaltos, que inevitavelmente acabaram por ter uma infeliz repercussão sobre os seus trabalhadores, muitos deles alvos de situações que os flagelaram de forma dramática.

Foram, de facto, muitos os problemas com que o sector financeiro se viu confrontado, por vezes abalando a boa imagem e a credibilidade que detinha junto dos investidores e dos
aforradores, o que subsequentemente provocou uma crise de confiança.

Ora, sabendo-se que a estabilidade do sector financeiro é uma das condições fundamentais para que os regimes democráticos não sofram convulsões, todas aquelas situações não puderam deixar de provocar preocupações acrescidas.

E é precisamente neste campo que mais uma vez honra tem de ser feita aos trabalhadores bancários, que não regatearam esforços nem sacrifícios – tantas e tantas vezes à custa da sua própria estabilidade familiar e dos seus já tão parcos tempos livres – para constituírem o pilar fundamental ao início da recuperação do sector, conservando-se firmemente na primeira linha do contacto com o público, o que em tantas ocasiões lhes acarretou situações de indescritível constrangimento. Mas não arredaram pé, sendo credores do maior reconhecimento pela atitude de assinalável posicionamento cívico que evidenciaram.

Entrámos agora, como referi inicialmente, num novo ano. Por tudo quanto fica dito e foi feito, é mais que legítimo que os trabalhadores sejam recompensados pelo seu sentido de dádiva.
É neste contexto que assinalo o clima de boa-fé – os sindicatos verticais do sector disso não têm deixado margem para a menor dúvida – em que está a desenrolar-se o actual processo negocial, que terá de culminar com o reconhecimento, por parte das instituições de crédito, do papel de fundamental relevância desempenhado pelos trabalhadores na recuperação da banca, e que deverá ser devidamente espelhado no resultado final das negociações contratuais.

A terminar, deixando uma mensagem de esperança para todos os trabalhadores bancários e respectivos agregados familiares, lavro o meu garante de que os sindicatos verticais e a Febase se encontram firme e determinadamente empenhados num resultado que se traduza na recuperação do poder de compra, embora condicionado pelas dificuldades que continuam a fustigar todo o mundo.

Que o ano de 2010 seja para todos vós o início de momentos pautados por maior alento, rumo à merecida prosperidade!


Mário Mourão

     
   Imprimir        Voltar        Topo
Copyright © 2007 SBN