Home»Detalhe de Notícias
 
Oito banqueiros em Portugal receberam mais de um milhão de euros

O número de gestores bancários da União Europeia que receberam uma remuneração superior a 1 milhão de euros aumentou, em termos homólogos, 5,69% em 2017, segundo um relatório da Autoridade Bancária Europeia.

Há mais 5,69% de gestores bancários na União Europeia a receber uma remuneração superior a 1 milhão de euros do que em 2016. O número aumentou de 4.597 para 4.859 em 2017. Em Portugal foram oito os banqueiros que auferiram este ordenado no conjunto de 2017.

A conclusão é de um relatório divulgado esta semana pela Autoridade Bancária Europeia (EBA, na sigla inglesa). Segundo a agência reguladora da banca europeia, ainda assim, o rácio médio entre as remunerações variáveis e fixas para estes «grandes ganhadores» continuou a cair em termos homólogos, de 104% para 101,08%.

O “EBA Report on High Earners” revelou ainda que esses oito líderes de bancos em Portugal constituíam todos “funcionários identificados” – o que não aconteceu noutras instituições bancárias da comunidade única –, sendo que a remuneração total média por indivíduo foi de 1.334.317 euros para a banca de retalho e de 1.865.670 euros para funções de gestão.

“Um aumento significativo [dos gestores com ganhos superiores a um milhão] pode observar-se na Noruega, onde o número duplicou de 12 para 25. Fortes taxas de crescimento também foram registadas na Alemanha, de 253 para 390 (+54,2%), na Itália, de 172 para 201 (+16,9%), na Áustria, de 43 para 50 (+16,3%), em França, de 205 para 233 (+13,7%) e em Espanha, de 152 para 161 (+5,9%)”, refere a EBA.

O estudo do regulador mostrou ainda que, em 2017, em quase todas as áreas deste negócio (exceto órgãos de administração na sua função de supervisão, gestão de ativos e funções de controlo independente), a proporção de pessoas com rendimentos elevados com impacto material no perfil de risco no banco diminuiu ligeiramente em comparação com o ano anterior.

O documento com os salários de 2018 será revelado no início do próximo ano.

in O Jornal Económico de 12 de março de 2019


     
   Imprimir        Voltar        Topo
Copyright © 2007 SBN